domingo, 7 de novembro de 2010

VIOLÊNCIA NO NAMORO

Violência Psicológica No Namoro E Casamento

Por: Sueli Nascimento
Saber viver a dois não é um atributo com o qual se nasce. O modo de se comportar no relacionamento de casal foi aprendido e influenciado pelo contexto histórico e cultural.
Em nossa sociedade um dos ensinamentos desse aprendizado é que não pode haver segredos nem barreiras entre marido e mulher, não se deve esconder nada do outro.
Crises podem ser desencadeadas, justamente, quando um dos dois manifestar desejo por mais privacidade ou mais tempo para si mesmo. E as coisas vão se complicar ainda mais se essas necessidades não for explicitada de maneira clara.
Se você diz que precisa de mais liberdade, mas não se expressa adequadamente a outra pessoa pode achar que em breve será descartada e, insegura, iniciará manobras para impedir isso.
Amor não rima com controle
Manobras de controle possuem níveis variados de complexidade e vão desde as mais superficiais como a disputa de poder sobre quem decide o sabor da pizza ou que filme ver no sábado à noite, até aquelas inadequadas cenas de ciúmes excessivo ou tentativas de controlar a vida um do outro – dentre as manobras mais conhecidas estão as chantagens emocionais e a coerção.
As conversas ficam cada vez mais desagradáveis, as cobranças cada vez irascíveis e o relacionamento se converte numa estranha dança entre a sensação de invasão de espaço e o medo de ser abandonado, ou traído, e quando o casal percebe já está em pleno terrorismo íntimo.
Relações tóxicas
Talvez você já tenha passado por um relacionamento em que aquilo que o atraiu na outra pessoa foi, pouco a pouco, sendo substituído por antipatia e indiferença. Em outras palavras, a relação se tornou tóxica e nociva.
Chamamos de toxidez relacional qualquer atitude, palavra, gesto e comportamento que desvalorize a si mesmo ou ao outro; que dispa a si mesmo ou ao outro de seus direitos, autonomia e valores pessoais.
É tóxica qualquer forma de se relacionar que precise anular, desqualificar e diminuir a si ou ao outro, para que um, ou os dois, se sinta valorizado, amado e respeitado.
Numa relação tóxica há poucas condições de crescimento afetivo, intelectual e psicológico para ambos.
Terrorismo íntimo é viciante
Pessoas que tratam a si mesmas ou ao outro dessa forma estão afetivamente imaturas.
Em parte, essa imaturidade é originada por uma autopercepção deturpada. Permanecer muito tempo em relacionamentos tóxicos retroalimenta as dificuldades autoperceptivas e faz com que a pessoa atribua pouquíssimo valor a si e, por deslocamento, pense que os outros também a vêem como ela se vê.
O pensamento e a autopercepção distorcidos fazem-na permanecer e alimentar os relacionamentos nocivos, pois, de seu ponto de vista "ruim com ele, pior sem" e que isso é o máximo que pode conseguir em termos afetivos.
E, nessa confusão de sentimentos sobre o que pensa ser amor, a pessoa pode desenvolver uma tendência a esperar que o parceiro lhe ajude a recuperar sua autoconfiança, auto-estima, que lhe atribua valor e lhe indique um caminho a seguir na vida.
Desobstrua a transmissão
A primeira coisa a fazer para sair dos relacionamentos tóxicos repetitivos é iniciar um processo de autoconhecimento que inclua descobrir como aprendeu a se relacionar e que mitos sustentam seu modo de encarar amor e casamento.
Para quem já está vivendo uma paixão é fundamental evitar mal-entendidos, enigmas e meias-verdades nas conversas de casal. Verifique se você está sendo ambíguo na hora de manifestar seus sentimentos e desejos.
É importante evitar, na medida do possível, criar fantasias de conflitos insolúveis, já temos conflitos reais de sobra a nos ocupar e exigir negociações. Criar todo um imaginário de catástrofes a partir do que pensamos que o outro está pensando, sentindo ou fazendo longe de nós é absolutamente improdutivo e desnecessário.
Dificuldades para se relacionar podem ser transformadas através do autoconhecimento obtido em grupos de movimento. Informe-se pelo http://orgonoterapia.blogspot.com/.
Perfil do Autor
Analista reichiana. Consultora Associada da FLUIR Desenvolvimento Social e Humano.
(Artigonal SC #1128520)
Fonte do Artigo - http://www.artigonal.com/psicologiaauto-ajuda-artigos/violencia-psicologica-no-namoro-e-casamento-1128520.html

Nenhum comentário:

Amor é um fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer.É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar se de contente; é um cuidar que ganha em se perder.É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade.Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor? Luis de Camões

Amor Felíz

Dicas para namoro, noivado, casamento e relacionamentos amorosos em geral.

Simpatias, magias de sedução, receita de perfumes, dicas de estérica, astrologia, cartomancia e muito mais.


QUE VOCÊ TENHA UM AMOR MUITO FELÍZ!

.

NAVEGUE PELO BLOG E LEIAS DICAS LEGAIS

OS RELACIONAMENTOS SÃO COMPLEXOS.
PRECISAMOS DISPOR DE RECURSOS PLURAIS.
POR ISSO AQUI VOCÊ ENCONTRA TEXTOS SOBRE AMOR E AUTOESTIMA, BANHOS DE ATRAÇÃO, MAGIAS,
TERAPIAS ALTERNATIVAS, ESTÉTICA, E MUITO
MAIS.
TODAS AS CATEGORIAS DE POSTAGENS SÃO ATUALIZADAS REGULARMENTE.

SEJA BEM VINDA OU BEM VINDO!
E OBRIGADA PELA VISITA!

Postagens populares

POMBA GIRA CIGANA

POMBA GIRA SETE SAIAS DO CABARÉ